0

16/08/2012

Bom Dia Amigos!!

Você já agradeceu hoje por mais um dia que lhes foi concebido para sua evolução? Hoje é um novo dia para aprendermos algo, começarmos...

Reflitam...

Curve-se diante da beleza da vida.
Respeite-a. Ame-a.

Cale a voz negativa. Renda sua homenagem ao Criador de tudo. Ele merece.
Um poder infinito, um amor sem fronteiras, tudo fez. Imagine-se dentro desse contexto maravilhoso.

Vibre com a vida.
Dobre-se diante da grande beleza.
O deslumbrante espetáculo da vida é construído pelo mesmo Deus que habita em você.
( Do Livro "Sementes de Felicidade", 45, de Lourival Lopes )
Leia Mais ►
0

Deus conhece às nossas aflições -Autora: Sandra Moura.

08/08/2012

E disse o SENHOR: Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores. Portanto, desci para livrá-lo da mão dos egípcios e para fazê-lo subir daquela terra a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel(terra farta, com abundância...) (Êxodo.3.7,8)

Introdução. O Senhor Jesus nos diz em sua Palavra que no mundo teremos aflições, Ele nunca disse que seria fácil viver neste mundo, mas Ele nos diz: Tenham coragem eu venci o mundo.

O texto que lemos fala da chamada de Moisés como libertador do povo de Israel que estava cativo no Egito. Moisés estava apascentando o rebanho de seu sogro quando chegou ao monte Horebe e ali ele viu uma cena muito interessante, ele viu uma sarça que ardia no fogo, só que, aquela sarça não se consumia( sarça, para quem não sabe, é um vegetal lenhoso, que se ramifica desde a base, é um vegetal seco, que se queima com muita facilidade), por isso o espanto de Moisés com aquela visão, Moisés ficou tão perplexo que virou o rosto, então Moisés pensou consigo mesmo: "Virarei para lá, e verei porque a sarça não se consome," e vendo o SENHOR que ele virava, bradou do meio da sarça e disse: "Moisés, Moisés EU SOU o Deus de teus pais, o Deus de Abraão, Isaque e Jacó... Tenho visto atentamente a aflição do meu povo... e tenho ouvido o seu clamor... e conheço os seus sofrimentos".

Podemos ver neste texto, que Deus não é indiferente quanto a nós, quanto ao nosso sofrimento, Deus se interessa por nós, o texto diz:"Tenho visto atentamente a aflição do meu povo..."  Deus olha para nós o tempo todo, Ele tem visto o que temos passado, as perseguições, as aflições, enfim todos os meus e os seus problemas Ele tem visto. Talves você já pensou ou até já perguntou para Deus: "SENHOR, será que tu não tens visto o meu sofrimento?, e muitas das vezes você até já falou como diz aquele hino: " Olha pra mim SENHOR!"

Mas, o SENHOR te diz hoje: "Tenho  visto a sua aflição e ouvido o seu clamor!"

Muitas das vezes também em nossas orações, falamos para Deus: Ouve Senhor a voz do meu clamor, quando o certo é, atende Senhor o meu clamor; porque a Palavra de Deus diz: "Certamente que a mão do Senhor não está encolhida para que não possa salvar, nem surdo o seu ouvido para que não possa ouvir..." O SENHOR disse para Moisés: "Tenho ouvido o clamor do meu povo...!", amados, Deus ouve o nosso clamor nunca duvide disto e, Ele está te dizendo hoje: "Tenho  ouvido o seu clamor, o seu gemido, as suas orações!"

O SENHOR também disse para Moisés: "...e conheço o seus sofrimentos...," talves você esteja passando por muitas aflições, eu não sei o tamanho da sua dor, a pessoa próxima a você também não sabe, mas, Deus sabe, Ele sabe tudo; um dos atributos de Deus é a onisciência, isto é, Ele sabe de tudo. A Palavra de Deus diz: "O Senhor é conhecedor dos corações de todos..."(Atos.1.24), Deus sabe o que se passa em nossos corações, e Ele te diz hoje: "Conheço as suas aflições, os seus sofrimentos e vou te livrar desta angustia." A Palavra de Deus diz:" Muitas são as aflições dos justos, mas o Senhor o livra de todas."(Salmos 34. 19) Queridos, assim como Deus livrou o povo de Israel daquele sofrimento, Deus vai te livrar desse sofrimento, dessa aflição.

No passado Deus enviou Moisés como libertador povo de Israel, assim como Deus enviou Moisés para libertar o seu povo, assim também, Ele enviou o seu Filho Jesus para nos libertar da escravidão do pecado, para nos salvar da morte eterna e nos livrar de todo o sofrimento. Está escrito que Jesus Cristo levou sobre si todas as nossas dores e enfermidades, e por suas pisaduras fomos sarados.(Isaías. 53) Portanto, não devemos temer, temos um libertador que é maior que Moisés; Moisés não conhecia o coração do povo, mas Jesus conhece os nossos corações e sabe o que precisamos.

O Senhor Jesus diz em sua Palavra: "No mundo tereis aflições mas tende bom ânimo! Eu venci o mundo."( João 16.33) O senhor Jesus está dizendo nesta palavra, que enquanto estivermos neste mundo os sofrimentos virão sobre nossas vidas, entretanto, Ele nos diz: "Tenham coragem, não desanimem! Eu venci o mundo! Eu estarei com vocês!"

Caroª leitorª, creia que Jesus está contigo, e assim como Ele venceu, você vencerá também em nome de Jesus.



"Que Deus abênçôe a todos em nome de Jesus!"
Leia Mais ►
1

Desperta!!!

07/08/2012


Nele tem mensagens diversas. Algumas minhas e outras de grandes pensadores escritores... Tudo escrito para vocês!

É importante perceber que o despertar da vida depende de você. Libere seu coração e deixe que ele construa seu destino. A felicidade é uma experiência ligada à sabedoria. Sua vida muda quando você muda. Deixe as pessoas do passado no passado, a melhor cura do baixo- astral é abrir os olhos para o mundo. Enquanto você acreditar, o medo não vai se instalar.

Para viver intensamente é necessário conviver com os riscos. Por isso acredite sempre, por pior que seja a situação. Não deixe a dúvida tomar conta de você. Nosso maior adversário está dentro de nós. É preciso entrar pra valer nos projetos da vida, até que o rio se transforme em mar. Poder é ser dono de sua atenção.

Alguém já disse que visão é a arte de ver o invisível. Nós é que transformamos a semente em árvore para poder colher os frutos. A primeira ponte é a do sentido da vida. A segunda ponte é a do silêncio. A terceira ponte é a da simplicidade. A quarta ponte é a do sentimento. Você é a pessoa que escolhe ser.

Um dos segredos da felicidade é saber criar condições para que a vida dependa de nós. Viver é a arte de realizar sonhos. Viver é ser o artista da auto-criação. As mudanças ficam mais fáceis quando o que se passa dentro de você é explicado.O grande néctar da vida é a possibilidade de realizar o divino que existe dentro de cada um de nós.


Leia Mais ►
0

Doença de Wilson

31/07/2012









PEDIDO DE AJUDA











Postado por TÂNIA FREITAS








O objetivo do meu pedido de ajuda é de solicitar aos meus amigos e amigas bloqueiras de divulgar a doença de Wilson para tentar minimizar diagnósticos tardios por falta de informação por parte de alguns profissionais da saúde, o que acarreta graves conseqüências e seqüelas irreversíveis para os portadores da DW. Que possamos estar juntos sem desistir da luta. Creio na força do amor e na superação dos obstáculos impostos pela vida. Juntos somos força, somos amor, somos vida.


Eu sou portadora e deste mal e tem pessoas morrendo no Brasil e no mundo por total falta de informação por parte da população e falta de preparo para diagnosticar dos médicos.


Entrem nesta luta comigo! É preciso que as redes de TV façam uma divulgação maior, levando especialista da área a falar mais sobre o assunto. Tem médicos que nem sabe o que é esta doença!





Artigo-Doença de Wilson


Dra. Adriana Maria Alves De Tommaso


Introdução


Descrita, pela primeira vez, em 1912, por Wilson;


Também denominada degeneração hepatolenticular;Distúrbio primário do metabolismo do cobre, localizado no fígado, leva ao acúmulo desse metal, inicialmente no hepatócito e posteriormente em diversos órgãos e tecidos, particularmente no cérebro, córnea e rins;


Metabolismo do cobre: O cobre, absorvido no intestino, ao alcançar os hepatócitos liga-se à apotioneína para formar a Cu-metalotioneína ou é incorporado à ceruloplasmina, retornando à circulação, ou é excretado na bile. Os dois últimos passos estão alterados na Doença de Wilson. Na bile, o cobre liga-se a diferentes substâncias, estando associado a substâncias derivadas ou semelhantes à ceruloplasmina;





Incidência ( doença= 30:1000000, portador heterozigoto= 1:100);





Herança autossômica recessiva => cromossomo 13, locus 13ql4.3 => ATP7B => excreção biliar de cobre está marcadamente diminuída e o metal não pode ser incorporado adequadamente à ceruloplasmina. Conseqüentemente, o cobre em excesso distribui-se inicialmente no citoplasma, provavelmente ligado a uma forma não-tóxica de metalotioneína, e posteriormente aparece em densos grânulos nos lisossomos. O cobre livre (não ligado à ceruloplasmina), liberado na circulação a partir de hepatócitos lesados, passa então a se acumular em diversos órgãos;





Mais de 40 mutações descritas.





Quadro clínico





Variável;





Habitualmente no final da infância e na adolescência;





Cerca de 40% inicia-se com doença hepática, várias formas de apresentação (hepatite crônica ativa, hepatite fulminante, cirrose assintomática, elevação de transaminases);





Insuficiência hepática fulminante => sinais de alerta => anemia hemolítica com Coombs negativo, FALC baixa em contraste com altos níveis de bilirrubina, pouca elevação de transsaminases (sendo AST>ALT);





Manifestações neurológicas: as estruturas mais atingidas são os gânglios da base. Podem também estar acometidos o córtex cerebral, a substância branca subcortical, o tálamo, o núcleo subtalâmico, a substância negra e o cerebelo. Quadro Clínico: As anormalidades neurológicas são predominantemente motoras e representadas por distúrbios do movimento tais como distonia, diversos tipos de tremor (postural ou de repouso), rigidez, bradicinesia, Coréia, atetose, ataxia e instabilidade postural. A fala e a marcha estão freqüentemente afetadas. A quase totalidade dos pacientes com quadro neurológico, apresenta cirrose estabelecida. Há ampla faixa de idade de aparecimento dos sintomas (entre 8 e 50 anos). Na maioria, a idade de apresentação encontra-se na primeira e segunda décadas de vida, sendo excepcional acima de 40 anos;





Manifestações oftalmológicas: a mais comum e importante é o anel de Kayser-Fleisher, que se forma na membrana de Descemet. Pode estar ausente em até cerca de 50% dos casos com manifestações exclusivamente hepáticas, de instalação na infância ou na adolescência. Como regra pode-se afirmar que nas formas neurológicas o anel está sempre presente;





Manifestações osteoarticulares: geralmente relacionadas à lesão tubular renal com perda de cálcio e fósforo, a mais comum é a osteoporose, que pode determinar fraturas espontâneas. Outros tipos de acometimento são osteomalácia, osteoartrite e osteocondrite dissecante;





Manifestações renais: predominam as decorrentes de lesão tubular, tais como hiperaminoacidúria, hiperfosfatúria, hipercalcíuria renal e hiperuricosúria;





Manifestações hematológicas: hiperplenismo, relacionado à hipertensão portal, e a anemia hemolítica, decorrente de altos níveis de cobre sérico livre;





Manifestações dermatológicas: sem gravidade, podem estar presentes sob a forma de hiperpigmentação nos membros inferiores, lúnula azulada e acantose nigricans.











Diagnóstico





Não há um único teste => clínica, bioquímica, história familiar;





Ceruloplasmina: níveis séricos baixos são encontrados em 90% a 95% dos pacientes. Por outro lado, 20% dos heterozigotos têm níveis séricos baixos de ceruloplasmina, mas não evoluirão com a doença. Valores baixos também são encontrados em outras situações;


Anel de Kayser-Fleischer: é visto quando há manifestações neurológicas. Por outro lado, quando há lesão hepática, está presente em 55-70% casos;


Cobre sérico total: avalia, também, o cobre sérico ligado à ceruloplasmina. Portanto, se esta estiver com níveis muito baixos, o cobre total estará diminuído;


Cobre urinário: quase todos os pacientes sintomáticos apresentarão níveis elevados (>100mcg/d). Também é importante para acompanhar a aderência ao tratamento, bem como a eficácia da medicação. Pode ocorrer em outras doenças hepatobiliares. Sensibilização com a D-penicilamina;


Dosagem de cobre no tecido: padrão-ouro. Concentração normal = 20-40mcg/g de peso seco. Na doença, costuma ultrapassar 250 mcg/g;


Coloração rodanina: tecido hepático. Presente em outras doenças colestáticas;


Pesquisa de cobre com radioisótopo: há diminuição da incorporação de cobre radioativo pela ceruloplasmina. Os testes oferecem grandes dificuldades técnicas para sua execução e por essa razão são pouco utilizados. Ademais existe uma sobreposição considerável entre heterozigotos e pacientes;


Diagnóstico genético: inconveniente de só ser aplicável a familiares de pacientes com Doença de Wilson já diagnosticada. Como vantagem sobre as demais,permite o diagnóstico logo no primeiro ano de vida;


Ressonância magnética: parecem ser sensíveis para detectar alterações precoces em pacientes com a doença. Mostram alterações localizadas com predileção para os gânglios da base nos casos com manifestações neurológicas. Essas anormalidades embora não sejam específicas, são altamente sugestivas. Um sinal considerado característico é o chamado "face do panda gigante" (mesencéfalo). Outra alteração recentemente descrita em pacientes com sintomas neurológicos é a presença do claustrum brilhante.


Tratamento


O objetivo é promover o balanço negativo de cobre, com a finalidade de remover os depósitos anormais desse metal no organismo. Com essa finalidade, as estratégias de tratamento empregadas são:


1.Redução da ingestão de cobre (com os meios farmacológicos disponíveis atualmente,restrições dietéticas drásticas são dispensáveis);


2.Aumentar a excreção de cobre (principal forma de tratamento).


Dieta: alimentos ricos em cobre (chocolate, nozes, castanhas, cogumelos, cacau, frutos do mar). Ideal ingerir menos de 0,6mg/dia (normal= 1-5mg/d).


Agentes quelantes


D-penicilamina (distribuída no Brasil pela Merck Sharp & Dohme, com o nome de CUPRIMINER). Tem sido usada desde 1956 e é a forma mais importante de quelação do cobre, com aumento da excreção urinária. Dose: 20mg/kg/d. Duas a quatro doses diárias são administradas, com dose total variando de 1-2 g/dia. Plaquetopenia e leucopenia são complicações importantes, ocorrendo também anemia aplástica e agranulocitose. Toxidade renal (proteinúria e hematúria) é reversível. Em algumas situações, mesmo após a suspensão da droga, ocorre progressão para síndrome nefrótica e glomerulonefrite membranosa. Em caso de piora dos sintomas neurológicos, o tratamento consiste na redução da dose da medicação. Pode ser necessária a troca da medicação por outro agente quelante ou sais de zinco, todavia as manifestações neurológicas nem sempre regridem. A medicação é segura durante a gravidez.


Trientine (trietilenotetramina): do mesmo laboratório, nome comercial= SYPRINER, ainda não disponível no Brasil. É uma alternativa bem razoável para os pacientes com reações colaterais importantes à D-penicilamina. Também aumenta a excreção urinária, porém é menos potente. É efetivo por via oral, com dose máxima de 2 g por dia para adultos e 1,5 g para crianças, divididas em duas a quatro tomadas, em jejum. Infelizmente, pacientes que apresentam reações adversas à D-penicilamina, como formas graves de lúpus e lesões renais, podem também ser suscetíveis ao trientine.


Acetato ou Sulfato de Zinco: age bloqueando a absorção de cobre pelo trato intestinal. Sua maior vantagem é a ausência de efeitos colaterais. O zinco induz a síntese de metalotioneína (proteína carreadora de metais que oferece sítios de ligação para o cobre livre). Acredita-se que a diminuição da absorção do cobre deva-se à indução da metalotioneína intestinal , que se ligaria ao cobre absorvido na mucosa intestinal. Em conseqüência à descamação da mucosa intestinal, o cobre seria eliminado nas fezes. Poderia também ocorrer indução de uma metalotioneína hepática, que transformaria o cobre tissular em não-tóxico. Os sais de zinco devem ser reservados para tratamento de manutenção, após o paciente ter sido eficazmente tratado com quelantes de cobre. Há quem o considere indicado no tratamento inicial de pacientes assintomáticos e de mulheres grávidas. A dose de sulfato de zinco é de cerca de 200 mg, três vezes ao dia (75-300 mg/dia do zinco elemento), 30-60 minutos antes das refeições. A administração com o estômago vazio justifica-se porque muitas substâncias presentes na dieta previnem a eficácia da medicação. O efeito colateral mais comumente observado com o uso do sal sulfato é a irritação gástrica, que pode ser contornada com sua substituição pelo sal acetato, que é melhor tolerado e deve ser empregado também em três doses diárias de 170 mg cada.





Transplante Hepático: reservado para os casos onde não há resposta ao tratamento.
Leia Mais ►
1

Você é daquele que acredita que a primeira impressão é a que vale?

Então, Reflita!!





Um homem esperava para atravessar uma avenida quando um brilho na grama em que pisava chamou sua atenção.





Deu uma olhada sem se abaixar e pensou " Deve ser um caco de vidro" e foi embora.





Mais tarde outro homem na mesma situação percebeu o brilho, abaixou-se, pegou a pedra meio suja e viu que era talhada como um lindo diamante.





Parecia mesmo um diamante enviando raios luminosos com as cores do arco-íris quando colocado ao sol. O homem pensou " Puxa, será um diamante? Desse tamanho? Perdido aqui? Como veio parar aqui?





Talvez eu devesse levar a um joalheiro pra ver ser é mesmo." Olhava e olhava e de repente disse a si mesmo...


"Que idiota eu sou, imagina se isso é um diamante, só pode ser um vidro talhado em forma de diamante que caiu de algum anel de bijuteria.





Porque um cara como eu iria achar um diamante?





E se eu levar a um joalheiro ainda vou ter que aguentar a gozação do homem por eu ter achado que podia ser um diamante...


Ha... logo eu ia achar um diamante assim...


perdido numa grama... logo eu..."





E assim pensando jogou de novo a pedra na grama e atravessou a avenida até meio triste pela sua pouca sorte.





No dia seguinte outro homem passando pelo mesmo lugar viu a pedra, atraído pelo seu brilho.


" Que beleza de pedra" ele pensou!





"Parece um diamante, talvez até seja um diamante, mas também pode ser apenas um pedaço de vidro imitando um diamante...


“O melhor que tenho a fazer é levá-la a um joalheiro e pedir uma avaliação.” E colocou a pedra no bolso.





Tendo levado-a para avaliação mais tarde descobriu ser um verdadeiro diamante, de muitos quilates e com uma lapidação especial.





Era uma pedra muito valiosa! Realmente especial e o homem ficou muito feliz com a sua boa sorte!





Na nossa vida às vezes encontramos pessoas que são como esse diamante... Valiosas!





Pena que nem sempre nos damos o tempo para avaliá-las confiando na nossa primeira, e muitas vezes errônea, impressão, ou simplesmente achando que nunca tivemos sorte, então, porque aquela pessoa apareceria justamente pra nós?





Pense nisso!





Dê-se uma chance!





McMillian Gold Receba

Leia Mais ►
0

VIDA BREVE




Essa nossa vida é tão curta...

O tempo em que ficamos neste mundo é tão breve ...

Existem tantas coisas boas, úteis, concretas e que, principalmente, estão ao nosso alcance e as deixamos de lado. Não lhes damos a atenção necessária.

Talvez por não acreditarmos que os momentos e os detalhes são únicos.

Ou talvez por esquecermos que as oportunidades podem ser descartadas, mas dificilmente repetidas.

Vivemos nos queixando pelas grandes obras que não podemos realizar e deixamos de lado aquelas pequenas que nos são possíveis.

Vivemos desejando asas, enquanto nossos pés nos convidam à pisar firmes no chão.

Acreditamos que a nossa felicidade está naquilo que desejamos e deixamos de amar o que possuímos.

Nossa vida é breve e temos muita coisa útil à realizar.

De modo algum justifica-se nossa busca por satisfações efêmeras, enquanto nossa realização está justamente naquilo que já é nosso.

Devemos nos lembrar que passaremos por este caminho, este mundo, uma só vez.

Precisamos, portanto, aproveitar esta oportunidade única, breve...


bjus,
Tânia
Leia Mais ►